quinta-feira, 21 de setembro de 2017

POLÍTICA: Assembleia Legislativa recebe apelo para apoiar defesa da Chesf, PECs 47 e 254


O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Ezequiel Ferreira de Souza (PSDB) recebeu na manhã desta quinta-feira (21), ao lado de 11 deputados, o presidente da União Nacional das Assembleia Legislativas (Unale), Luciano Nunes (PSDB/PI), que externou a necessidade de maior aproximação das relações da entidade com as Casas Legislativas e com os próprios deputados. Neste sentido pontuou a visita em torno das discussão das PEC 47 e PEC 254 que afetam o dia-a-dia do Legislativo Estadual e tramitam no Congresso Nacional, bem como buscou apoio para a instalação de uma Frente Parlamentar Nacional em defesa da Companhia Hidrelétrica São Francisco (Chesf), objetivando evitar a privatização pelo governo Federal.

“Por decisão do conjunto dos deputados estaduais temos deliberado medidas de economicidade, transparência e planejamento estratégico desde 2015 no Legislativo Potiguar. Assim capitaneamos os demais poderes para que congelássemos os orçamentos diante da escassez de recursos e ainda assim promovemos, por força de uma gestão austera, avanços significativos na Casa Legislativa do RN, que servem de modelo para o país”, salientou Ezequiel Ferreira.

Luciano Nunes disse que é papel da Unale ser catalizador e fomentador das ideias postas em prática nas Casas Legislativas. “A Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte tem muitos exemplos neste sentido como o planejamento estratégico, a guinada administrativa e o impulso tomando pela Escola da Assembleia”, citou.

O presidente da Unale fez a visita de cortesia ao Parlamento Estadual a convite do deputado Gustavo Fernandes (PMDB-RN), que também é vice-presidente de Assuntos Sociais da Instituição.  Também acompanharam a audiência o vice-governador do Estado Fábio Dantas (PCdoB), os deputados George Soares (PR), Fernando Mineiro (PT), Márcia Maia (PSDB), Jacó Jácome e Galeno Torquato (PSD), Hermano Morais e Nélter Queiroz (PMDB), Carlos Augusto (PSD), Cristiane Dantas (PCdoB) e Tomba Farias (PSB). Uma comissão de servidores da Chesf se fez presente na visita que também teve a participação dos secretários administrativos e Legislativos, Dulcineia Brandão e Elias Fernandes, respectivamente.

Via: O Xerife

PUBLICIDADE:

ESPORTE: Grêmio segura pressão do Bota, Barrios faz de cabeça e garante vaga na semifinal da Liberta


Tensão, bolas na trave, grandes defesas e emoção até o último minuto. Grêmio e Botafogo cumpriram à risca o que manda o regulamento de todo torcedor na Libertadores. No apito final, o grito de euforia foi do Tricolor, com sotaque gringo de Barrios, que venceu o duelo contra Gatito, definiu de cabeça o 1 a 0 no placar e garantiu a equipe de Renato Gaúcho na semifinal da Libertadores. 

O CARA DO MOMENTO
A trajetória de Lucas Barrios no futebol brasileiro é curiosa. Foi de jogador descartado no Palmeiras a protagonista do Grêmio na Libertadores. Chegou nesta temporada, já marcou 18 vezes e, nesta quarta, foi o nome da classificação. Após cruzamento de Edílson, mostrou leitura perfeita, antecipou Matheus Fernandes - que chegou a reclamar de falta - e testou sem chances para o amigo e companheiro de seleção Gatito. Foi o 6º gol do artilheiro do Grêmio na competição continental. 

Via: Ge


PUBLICIDADE:

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

ECONOMIA: TCU fará pente-fino em cobrança extra na conta de luz

O Tribunal de Contas da União (TCU) vai passar um pente-fino na cobrança das bandeiras tarifárias incluídas na conta de luz. A auditoria sobre os períodos de cobrança extra a todos os consumidores de energia foi decidida após o tribunal coletar indícios de que, na prática, as bandeiras não têm inibido o consumo da população para prevenir eventuais racionamentos, o objetivo principal da medida. Servem apenas como mais uma ferramenta de arrecadação de recursos.


O argumento central que embasou a criação das bandeiras tarifárias, em maio de 2015, era adotar um mecanismo mensal que desse um "sinal de preço" para a população, ou seja, um critério que sensibilizasse o usuário para reduzir o consumo. Pelas regras atuais, há quatro bandeiras em vigor. Na bandeira verde, não há taxa extra. A faixa amarela custa R$ 2,00 para cada 100 kilowatts (kWh) consumidos. Esse valor sobre para R$ 3 na bandeira vermelha "patamar 1" e para R$ 3,50 na bandeira vermelha "patamar 2".

O que os indícios mostram é que, na média, seja qual for a bandeira tarifária em vigor, a população mantém o mesmo consumo. A própria Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) já fez alterações de preços e de patamares das bandeiras, na tentativa de calibrar a cobrança e ter um resultado mais efetivo.

A auditoria, que tem como relator o ministro Aroldo Cedraz, deve ser concluída em dezembro. Nesta semana, uma equipe do TCU se reuniu com representantes da Aneel para tratar do assunto. Também será avaliado como as bandeiras têm socorrido as distribuidoras de energia elétrica. Em 2015, as cobranças extras tiveram um superávit de R$ 1,1 bilhão em relação às previsões iniciais, mas no ano passado apresentaram um déficit de R$ 1,6 bilhão. A missão básica das bandeiras é cobrir os rombos financeiros causados pelo "risco hidrológico", termo usado para classificar o nível de água nos principais reservatórios das hidrelétricas, situação que obriga o acionamento das usinas térmicas, que são mais caras. Daí a criação das bandeiras para pagar essa geração de energia.

As bandeiras tarifárias foram criadas no embalo do que o governo batizou de "realismo tarifário". O que se fez foi retirar do Tesouro Nacional o ônus de bancar as contas bilionárias do setor elétrico - resultado do desarranjo causado durante o processo conturbado de renovação das concessões -, passando essa dívida para as contas de luz.

Vermelho 2. Em outubro, a Aneel deve voltar a acionar a bandeira vermelha. Atualmente, vigora a bandeira amarela. Para decidir maneiras de atender à demanda de forma mais barata e eficiente, integrantes do governo federal e de órgãos do setor elétrico vão se reunir hoje em reunião extraordinária do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE), em Brasília.

De acordo com o diretor-geral da Aneel, Romeu Rufino, não está descartada a possibilidade de que seja acionado o segundo patamar da bandeira vermelha, que adiciona R$ 3,50 a cada 100 quilowatt-hora (kWh) consumidos.

"O regime hidrológico é desfavorável, o custo da energia é crescente e o custo de acionamento das térmicas mais caras, dentro ou fora da ordem de mérito, vai elevar o custo da geração de energia", afirmou Rufino. "É possível que no mês que vem possamos acionar a bandeira vermelha no patamar 2? É possível." As informações são do jornal

Via: O Estado de S. Paulo.


MUNDO: Terremoto deixa mais de 200 mortos no México, incluindo 21 crianças em escola


Um terremoto de 7,1 graus deixou pelo menos 217 mortos nessa terça-feira, 19, no México, entre eles 21 crianças em uma escola, enquanto prosseguem os trabalhos de resgate em vários prédios que desabaram, exatamente no 32º aniversário do tremor que destruiu a capital federal.

"Até o momento registramos 217 falecidos: 86 na Cidade do México, 71 em Morelos, 43 em Puebla, 12 no Estado do México, três em Guerrero e um em Oaxaca", escreveu no Twitter Luis Felipe Puente, diretor da Proteção Civil no ministério do Interior. Algumas horas antes, Puentes havia anunciado um balanço de 248 mortos.

O presidente Enrique Peña Nieto, que não estava na capital no momento do terremoto e retornou para coordenar os trabalhos de resgate, visitou durante a noite a escola de ensino fundamental Enrique Rebsamen, um edifício de três andares que desabou na tragédia.

"Lamentavelmente, várias pessoas morreram, incluindo meninas e meninos, em centros educativos, edifícios e casas. Quero expressar minhas condolências aos que perderam um familiar ou uma pessoa querida", disse Peña Nieto em sua primeira mensagem após o terremoto.

"Na escola temos 26 mortos, dos quais cinco são adultos e 21 crianças. Temos 11 crianças resgatadas e o número de pessoas presas oscila entre 30 e 40", disse José Luis Vergara, que coordena o resgate, ao canal Televisa. Vergara explicou que os socorristas conseguiram estabelecer contato com uma professora presa nos escombros - que estava ao lado de uma criança - e que em outro ponto conseguiram comunicação com um menor de idade.

"É o local no qual temos o maior número de crianças que perderam a vida", afirmou Puente à imprensa. Puente explicou que o número de mortos pode aumentar pelos relatos de pessoas desaparecidas, que podem estar nos escombros de de dezenas de edifícios que desabaram, sobretudo na zona sul e no corredor Roma-Condesa, bairro elegante onde vivem muitos estrangeiros. O sismo desta terça-feira ocorreu às 13h14 locais (15h14 de Brasília)

VIA: O Povo 

MUNDO CRISTÃO: Papa expressa solidariedade ao povo mexicano afetado por terremoto


Após a catequese desta quarta-feira, 20, o Papa Francisco manifestou solidariedade aos mexicanos em virtude do terremoto que afetou o país nesta terça-feira, 19, deixando mais de 200 mortos. Ao saudar os peregrinos de língua espanhola, Francisco rezou por todas as vítimas da tragédia.

“Ontem, um terremoto terrível assolou o México – vi que há muitos mexicanos entre vocês -. Causou inúmeras vítimas e danos materiais. Neste momento de dor, quero manifestar a minha solidariedade e oração a toda querida população mexicana. Elevemos juntos a nossa oração a Deus por quem perdeu a vida, que o Senhor conforte os feridos, seus familiares e todos os afetados”, disse. O Papa pediu orações também por todos que trabalham no resgate das vítimas e a proteção de Nossa Senhora de Guadalupe.

Via: Canção Nova

terça-feira, 19 de setembro de 2017

REGIÃO: Rádios comunitárias buscam empoderamento em discussão na ALRN


Líderes de rádios comunitárias de várias partes do Rio Grande do Norte se reuniram na Assembleia Legislativa nesta segunda-feira (18) para pedir o apoio do Poder Legislativo na luta pelo empoderamento do setor.

O Rio Grande do Norte congrega atualmente mais de 120 rádios comunitárias funcionando em caráter legalizado e com mais de 2,5 mil pessoas envolvidas diretamente com o funcionamento dessas emissoras. Representante da Associação Brasileira de Rádios Comunitárias (ABRAÇO), Fátima Cruz resumiu o principal entrave que dificulta o trabalho do setor. “Todos os meses nos são cobrados impostos como se fôssemos grandes emissoras. Não somos. Precisamos de paridade no tratamento. Para isso, gostaríamos que os deputados estaduais se unissem para, junto à bancada federal, ajudar a modificar essa realidade”, apelou Cruz.

Outro aspecto que lança insegurança sobre a atividade das rádios comunitárias é a dúvida sobre a viabilidade de convênios com prefeituras ou câmaras municipais. Tomaz Sena, presidente da Abraço, pontuou que há discussão sobre a autorização para convênios, mas que o Tribunal de Contas do Estado, que é simpático a esse modelo, pode, no entanto, vetar pela falta de marco regulatório sobre o assunto. “Seria uma forma de beneficiar tanto o ente público como a comunidade, pois o convênio permitiria que as duas partes se encontrassem com seus interesses. O poder público informaria às comunidades e as rádios teria parceria econômica”, destacou.

Outras considerações dos oradores inscritos convergiram para a reclamação para a dificuldade e burocracia em instalar uma rádio comunitária.










PUBLICIDADE:

EVENTOS: Festa do Padroeiro de Pedra Grande 2017